Tratamento com Ibogaína

recuperação: abstinência, compulsão e como fazer o tratamento

tratamento
Muitos pacientes que ingressam no tratamento, carregam consigo uma série de severas consequências,

principalmente nas etapas iniciais, pois precisam enfrentar a abstinência, algo que agride profundamente o corpo e a mente do indivíduo.

Tudo está associado à reconstrução da consciência e do autocontrole,

com o tratamento devolvendo ao paciente o potencial, primeiro, de enxergar e perceber a sua real situação,

liberando a mente para obter um pleno julgamento entre certo e errado e proporcionar o gerenciamento próprio de suas decisões.

A maioria dos casos que levam a internações para o tratamento que envolve a destruição da percepção da realidade,

da autocrítica e discernimento moral por parte do paciente.

Esta situação leva à adoção de caminhos voluntários ou involuntários para a internação,

dependendo do grau de evolução desta destruição pessoal provocada pela dependência e consumo.

O processo envolve diversas especialidades, o que define a sua condição de multifuncional,

pois é preciso a união de diversas vertentes de conhecimento e experiência para lidar com as drogas e,

principalmente, com a sua ausência, já que a abstinência,

é o primeiro e mais poderoso inimigo a ser vencido.

Abstinência e compulsão:

Estamos lidando com um processo muito profundo na mente do dependente, pois o consumo frequente de drogas, envolvendo substâncias cada vez mais poderosas,

provoca alterações na estrutura natural, física e química do corpo, principalmente do cérebro, e principalmente também, na sua região mais nobre.

De forma simplificada, o que nos dá a sensação de prazer e felicidade, são os conhecidos neurotransmissores, como dopamina, serotonina, noradrenalina, endorfina,

dentre tantas outras substâncias, que são descarregadas pelo conjunto cerebral, na medida das percepções naturais da pessoa, em relação aos momentos e situações que experimenta na vida.

Um encontro com uma pessoa muito querida, faz com que o cérebro derrame uma certa quantidade equilibrada de um certo neurotransmissor em sua corrente neural, dando aquela sensação de alegria.

Ganhar um prêmio numa loteria, pode ampliar a intensidade da felicidade, e o tamanho do motivo, faz com que o cérebro derrame uma quantidade maior ainda desta substância, aumentando os níveis de alegria, chegando à euforia.

Este é um exemplo do ciclo normal de funcionamento do mecanismo de satisfação em nosso cérebro.

O consumo de drogas, faz com que estas substâncias psicoativas, induzam o cérebro a despejar quantidades maiores na rede neural, de forma inadvertida, descontrolada e sem motivos reais, apenas por indução química.

O cérebro é uma “máquina de aprender” perfeita, e não é preciso muitas ações de consumo de drogas, para que ele perca a regulagem, parando de produzir e jogar as substâncias de felicidade e alegria, ou fazendo com que as doses sejam insuficiente, se comparado com o alto fluxo que as poderosas drogas provocam.

O resultado, é o aumento da sensação de depressão, tristeza, frustração e desânimo.

Para o dependente, esta sensação ruim só passa, se ele consumir drogas.

Como o cérebro é tão perfeito, que ele possui um mecanismo próprio de resistência, o consumo simples também deixa de fazer efeito,

e a busca passa a ser por doses maiores e drogas cada vez mais poderosas, estabelecendo o ciclo vicioso que leva à autodestruição, num caminho sem volta.

A abstinência acontece quando o corpo é privado da substância, que não envolve apenas o processo depressivo, já que uma conjuntura química se estabeleceu a partir do consumo desenfreado de drogas.

O corpo reclama através de diversos sintomas bruscos e radicais.

Crises horríveis de abstinência estão presentes na primeira fase do tratamento da maioria das drogas pesadas.

O acompanhamento e tratamento completo e total é primordial nesta fase, e insubstituível, pois a droga, durante seu consumo, se estabelece como compulsão,

o que foge completamente a qualquer tipo de controle por parte do indivíduo, o que requer que ele seja cerceado de suas liberdades, até que vença esta primeira e mais difícil etapa do desafio.

A intensidade das crises de abstinência:

Abstinência varia em proporção e intensidade, dependendo de diversos fatores, a maioria, subjetivos, como o perfil do paciente, suas características orgânicas e psicológicas, o tipo de drogas aos quais se submeteu, o tempo de exposição, dentre outros tantos.

Cada caso é um caso.

A heroína é um dos mais poderosos alcaloides, e provoca uma das mais intensas crises de abstinência, que vai da fissura descontrolada pelo consumo,

descompasso a descontrole neurológico generalizado, tremores, suor abundante ao mesmo tempo que o paciente é acometido por violenta sensação de frio, total falta de controle sobre os movimentos, contrações, espasmos, dores, febre, um grande número de importantes sintomas físicos muito desagradáveis e intensos.

Psicologicamente, as crises de ansiedade e pânico são constantes, acompanhadas de sensação de morte iminente, desespero, falta de ar, depressão profunda e hiperatividade descontrolada.

A química e os medicamentos na busca pela estabilização:

O desafio, nesta primeira etapa de tratamento, é a busca pela estabilização do paciente para a superação dos transtornos originados pela abstinência e compulsão.

Os compostos químicos, na forma de remédios, são fundamentais para auxiliar o corpo e a mente a se recuperar.

Poetanto o ponto positivo dentro do cenário horrível da abstinência e compulsão, é que a grande maioria dos casos podem ser superados, cabendo perfeitamente a analogia de que, depois da tempestade, vem a calmaria.

Afinal os grupos medicamentosos dosados pelo tratamento funcionam no controle psíquico e na amenização dos sintomas psicológicos e orgânicos.

mas o primeiro passo, na maioria dos casos, envolve o “desligamento” do paciente para atravessar a parte mais crítica da abstinência.

Isso costuma ser feito através da sonoterapia induzida, onde uma sequência de sedações, leva o paciente a dormir, a maior parte do tempo, por 15 a 20 dias.

Alguns momentos de despertar são necessários, para que o paciente não perca o vínculo psicológico com a realidade.

Esta etapa é muito delicada, pois um processo de sonoterapia muito profundo,

pode levar o paciente a um estado de ausência da realidade irreversível, fazendo com que ele perca a maior parte da consciência.

Embora exista este risco, as intercorrências registradas são insignificantes ou quase nulas, pois os grupos médicos que aplicam este tratamento possuem a consciência da importância de obediência aos protocolos recomendados e os riscos envolvidos.

O trabalho consciente:

Depois de vencida a primeira e mais desafiadora etapa, chegou a vez de trabalhar com a consciência do paciente, e neste ponto, ele é a parte mais importante do processo de cura.

Dependerá exclusivamente dele a sua libertação ou não da dependência de drogas.

Todavia os especialistas em terapias psicológicas e psiquiátricas entram em ação, numa verdadeira bateria de tratamento medicamentoso de estabilização,

associados a sessões intensas de terapia, onde o paciente é levado ao reconhecimento de sua situação, para que ele perceba que, embora sua necessidade aponte para o desejo de consumo de drogas, aquele caminho é destruidor e não vale a pena.

O trabalho não é feito para que ele apenas diga isto da boca para fora, mas para que ele reconheça isto efetivamente, como uma realidade.

A partir deste ponto, são construídas “armas mentais” para que ele as utilize no seu combate às tentações,

mas que estarão sempre flutuando diante de suas perspectivas cotidianas.

venha conhecer mais artigos como este:
ibtaina.com.br
conheça tambem as series de tratamentos que disponibilizamos em nossa clinica:
ibtasaude.com.br

SAIBA MAIS SOBRE O NOSSO TRATAMENTO

VER SITE

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

× Fale com o consultor